quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

O homem de colares

O homem de colares
descansava embaixo da sombra
ele, luz
sua mulher, espada.

seu olhar atravessou minha carne
distribui em meu sangue
mais vermelho
anjo de luz! Me dissestes

se nao tivesse eu
e todo o meu eu
sobraria algo?

sonhos que morriam
amor que se retirava
já estaria em terra prematura

mas vingaste a criança
crescera o poeta
nascera o filósofo


uma fé no sorriso
no enxergar um do outro
coração alagado

até o sopro da bondade

que ao mundo
de quem nao fantasia
é ar puro
o homem de colares
é ar puro
é ar
é puro.;

Um comentário:

Chalana disse...

Boaa. gostei em professor! Quase chorei aqui.